Santos sereis

Texto: Levítico 19:1-5 e 9-18



Introdução

Por causa de suas numerosas leis acerca dos sacrifícios e festas, o livro de Levítico é considerado por muitos cristãos como um livro de leitura difícil e cansativa. No entanto, ele contém passagens, como esta que acabamos de ler, que se revestem de grande interesse e valor para a Igreja de hoje. Falar em santidade hoje, é falar de um dos assuntos mais urgentes para a vida da Igreja, uma vez que a Igreja tem perdido de vista esse ensinamento da palavra de Deus. Um grande número de cristãos desconhece o que significa santificação. Tanto isso é verdade, que quando uma pessoa vive uma vida santa, (na Igreja católica é beatizada ou canonizada). Logo fazem sua estatua e começam adora-la. Isso é uma demonstração do quanto a santificação está longe da maioria das pessoas. Mas na Bíblia, santificação é uma exigência para todas as pessoas que desejam se aproximar de Deus “Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor” Hebreus 12:14. Não falar de santificação, é omitir uma das doutrinas mais importantes da Bíblia; é o mesmo que não esperar resultados da palavra na vida de um crente “Agora, porém, libertados do pecado, transformados em servos de Deus, tendes o vosso fruto para a santificação e, por fim, a vida eterna” Rom. 6:22. Em todo o Pentateuco há dois fatos que marcaram a vida do povo de Israel: A experiência do cativeiro com a libertação e a aliança estabelecida entre Deus e seu povo no monte Sinai. O fundamento da vida e da identidade de Israel era o próprio Deus que se descreveu a si próprio EU SOU O SENHOR – Senhor é a tradução de IAVÈ ou JEOVÀ, o Deus da aliança, gracioso, fiel e imutável; aquele que cumpre as suas promessas. EU SOU O VOSSO DEUS, eu vos resgatei e vocês me pertencem. “Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus…” I Pd.2:9. Deus é o soberano de todos os povos, mas tem um relacionamento especial com seu povo. EU SOU SANTO- isso aponta para o seu caráter, para os seus atributos morais. E a conclusão é lógica: Porque eu sou santo, santos sereis. O conceito bíblico de santidade tem a idéia de separação, consagração a Deus. A motivação para todos nós, seus filhos, tanto da antiga como da nova dispensação está contida numa expressão que se repete 8 vezes no texto lido: EU SOU O SENHOR. Agora a questão é: Como expressar nossa santidade, lealdade e compromisso para com Ele?

I- Seremos santos pela obediência aos seus mandamentos


Esse texto nos leva a pensar nos 10 mandamentos. Poderia ser questionado se o cristão ainda precisa guardar os mandamentos; se ele já não está livre da lei mediante a graça. A lei não nos pode justificar diante de Deus, mas uma vez justificados pela fé no sacrifício de Jesus Cristo, a lei torna-se um valioso instrumento de santificação e consagração ao Senhor. A lei se divide em duas partes: a cerimonial e a moral. A lei cerimonial não tem qualquer valor para nós; mas a lei moral continua plenamente válida para o crente. Podemos nos santificar pela obediência aos seus mandamentos. O texto bíblico em destaque nos faz pensar nos 10 mandamentos: “Cada um respeitará a sua mãe e o seu pai e guardareis os meus sábados” v.3 “Não vos virareis para os ídolos, nem fareis deuses de fundição” v.4

II- Seremos santos pela forma de culto que prestamos a ELE

O verso 5 aponta para o fato de que os filhos de Israel deveriam oferecer seus sacrifícios a Deus de modo a serem aceitos. Ou seja, havia circunstâncias em que os seus sacrifícios e os seus cultos não seriam aceitos. Isso nos faz lembrar de Caim e Abel. A ênfase está na atitude interior do adorador. Apesar de todo ritual do Velho testamento havia a convicção de que o verdadeiro culto é aquele que procede de um coração humilde, sincero e contrito diante de Deus. Os atos exteriores não são suficientes, mas devem ser acompanhados das disposições interiores adequadas. Daí a importância de Miquéias 6:8 “Com que me apresentarei ao Senhor e me inclinarei ante o Deus excelso? Virei diante Dele com holocaustos, com bezerros de um ano?….Ele te declarou oh homem, o que é bom e o que é que o Senhor pede de ti: que pratiques a justiça, e ames a misericórdia, e andes humildemente com o teu Deus.” Em Isaias 1:11-18 também se refere ao culto que prestamos a Deus. E em João 4:19-24 fala da verdadeira adoração.

III- Seremos santos pela justiça e integridade nos relacionamentos

Essa é a ênfase maior do texto. Como Deus criou o ser humano para viver em comunidade, é óbvio que a vida social deve refletir o propósito de Deus para suas criaturas. O texto apresenta 2 tipos básicos de relacionamento: 1-Nosso relacionamento com os carentes e marginalizados. E os versos 9 e 10 exortam à caridade e generosidade para com os pobres e estrangeiros, por isso a lei da RESPIGA. Os Israelitas deviam deixar de propósito algum alimento nos campos para ser recolhido pelos mais carentes da sociedade. Os versos 13 e 14 se referem ao trabalhador diarista, que depende de seu pequeno salário para alimentar-se, e os deficientes físicos. A solidariedade com os mais pobres da comunidade é uma das evidências de uma vida comprometida com os valores de Deus. 2-Nosso relacionamento com as pessoas em geral. O verso 11 contém exortações à honestidade no agir e no falar “Não furtareis, nem mentireis, nem usareis de falsidade cada um com o seu próximo”. O verso 15 fala sobre a imparcialidade no julgar “Não farás injustiça no juízo, nem favorecendo o pobre, nem comprazendo ao grande; com justiça julgarás o teu próximo”. O verso 16 ordena respeito com a reputação (não espalhar calúnia) e a integridade física do próximo(não fazer nada que ponha em risco a vida). E os versos 17 e 18 concluem com exortações a quando necessário repreender o irmão faltoso com honestidade e respeito; não odiar; não se vingar; nem guardar ressentimento contra outrem, e, em síntese, amar o próximo como a si mesmo- mandamento que foi muitas vezes repetido por Jesus.

Conclusão

O texto nos mostra que nosso compromisso supremo é com Deus, pela aliança que com Ele temos. Isso é uma coisa séria, que não deve ser substimada. Assim sendo, todas as áreas da vida devem refletir esse compromisso, a começar com nossa obediência e devoção para com Deus. Todavia, o teste maior da nossa lealdade é a maneira como nos relacionamos com aqueles que Deus coloca em nossas vidas, em nosso caminho, o nosso próximo. Em Jesus 17:17,19 Jesus disse: “E a favor deles eu me santifico a mim mesmo, para que eles também sejam santificados na verdade.” Que seja este nosso desejo também.

 

Pr. Cirino Refosco
cirinorefosco@pibja.org

No comments yet... Be the first to leave a reply!

mais sermões